Notícias

Autônomo ou CLT?

O stress com o trabalho CLT não é o único motivo para a gente pensar em ser autônomo. Muitas vezes, a flexibilidade de horários ou uma imposição do empregador fazem com que a gente olhe com mais carinho para o trabalho autônomo.

Mas quais são as diferenças entre ser uma pessoa jurídica ou trabalhar no sistema CLT? Confira aqui embaixo algumas explicações:

Pessoa Jurídica (PJ):

Para você se tornar um trabalhador autônomo, a primeira coisa que você precisa ter é uma empresa. Para isso, você terá que entrar em contato com um escritório de contabilidade que poderá fazer todo o tramite para você. Assim, você ganha o seu CNPJ e já se torna uma pessoa jurídica.

A partir do momento em que você abre sua empresa, você tem a autonomia de criar suas próprias regras para exercer seu trabalho. Nesse caso, suas responsabilidades aumentam, afinal, você é seu próprio empregado e quem faz seus próprios horários.

O trabalhador autônomo também tem a opção de prestar serviço para outras empresas, recebendo salários mensais.

Para cada serviço feito, você emite uma Nota Fiscal e paga impostos relacionados ao valor que recebeu. Dependendo do tamanho da sua empresa, uma porcentagem de impostos é descontada. Ex.: Você emite uma nota todo mês de R$ 2.000 e seu imposto é de 6%. Seu salário líquido é de R$ 1.880.

Além disso, é essencial fazer um plano de previdência privada, pois como não há o registro em sua carteira de trabalho (consequentemente sem direito ao FGTS), você necessitará dessa reserva de dinheiro no futuro, para conseguir uma aposentadoria tranquila. Por isso, muito cuidado com a administração do seu dinheiro.

Consolidação das Leis de Trabalho (CLT):

Para você ser um trabalhador CLT, basta ter um emprego assinado na carteira de trabalho.

As diferenças entre o CLT e o PJ começam na rotina do emprego. O CLT é empregado, segue as regras de uma empresa, tem seu horário fixo, geralmente de 40 horas semanais.

Em contrapartida, o trabalhador com carteira assinada tem direito a benefícios, como o vale refeição, o 13o salário, férias remuneradas e o INSS, que não são necessariamente dados ao trabalhador autônomo. Porém, o imposto tributado do seu salario mensal é maior, podendo chegar até 27,5%. Lembrando que uma parte desse imposto pode ser retirada pelo FGTS.

Para você calcular todos os tributos, impostos e benefícios, existe um site que pode ajudar na decisão: o Calculador.

O ideal é você colocar tudo no papel e ver qual das duas opções vale mais a pena. O mais importante é ter como garantir seu dinheiro todo mês!

Fonte: http://bit.ly/1qJHyce

Veja também:

© Copyright 2011 - Krieger Advocacia Especializada